Antonia Klugmann e o L'Argine a Vencò

por Paolo Vizzari (originalmente publicado no L'Espresso)

 

Após um longo período de treinamento, Antonia Klugmann parece ter finalmente escolhido o lugar para arrancar e abrir seu restaurante. Triestina, Antonia preferiu o Collio a sua cidade natal, consciente de que os produtos dessa área ( marcada pela experiência enograstonômica) se casam perfeitamente com sua idéia de culinária. O talento nunca foi discutido, mas para o jovem cozinheiro vem o tempo do teste de fogo, no auge de uma carreira já cheia de satisfações e prêmios.

Antonia e seu companheiro Romano De Feo (sommelier competente e homem de sala), cortaram uma sala veneziana à sua imagem e semelhança para entretê-los sem ter que se submeter às idéias de outras pessoas. A poucos metros do aterro do riacho Judrio, a fazenda restaurada possui uma sala pequena e íntima, com janelas envidraçadas que proporcionam uma vista nua mas relaxante e uma cozinha de tamanho adequado. Técnica e humildade permitem o nascimento de pratos que contam esta área sem aborrecimento, como o porco Neblo com aipo verde, couve-flor e feijão; ou como a polenta verde com "sclopit" (silêncio), sementes de papoula e violetas. Os gostos de coisas menos ligadas ao território, mas talvez ainda mais incisivos, se encontram em raviolis com alho e rabo de carneiro, ou em nervos extravagantes mas centrados com nespole e café. Conclui em cores suaves, com doces refrescantes à base de frutas e especiarias ao invés de chocolate e vários cremes. Dois menus degustação a 58 ou 70 Euros, ou uma opção ainda mais barata, escolhendo três pratos à la carte. Outra bandeira de qualidade a ser colocada, para todos os gourmet, no mapa geográfico agora preenchido do Collio.