Cocktail: Negroni

por Marcelo Cury

Uma das histórias mais comentadas em um balcão de bar é a origem do Negroni: o Conde Camilo Negroni, em 1919, frequentador do Casoni Bar, solicitou que o bartender Fosco Scarselli, criasse um Americano mais forte, trocando a soda por gin. E todos ao redor se surpreenderam e começaram a solicitar o coquetel. Uma bela história, tirando o fato de que a Familia Negroni, de origem francesa e não italiana, não a reconhece, já que o único Camilo Negroni, Conde da família, data do século XI.

Fato é: O Negroni tem sua origem baseada no Americano. Um apetitivo comum no norte da Itália no início do século vinte. Este por sua vez foi baseado no Milano-Torino (Campari e Vermute tinto em partes iguais), com a adição de soda.

Com registro histórico, a data mais antiga de que temos noticia é de 1929, no L´heure du Cocktail, onde há o registro de um coquetel chamado Campari Mixte, que leva partes iguais de Gin, Campari e Vermute tinto com um zest de limão siciliano.

Diferentemente de sua história, o Negroni não tem controvérsias. Um coquetel de simples execução, mas ao mesmo tempo consegue ser complexo e sofisticado. Um Belo equilíbrio entre doce e amargo, com boa adstringência na boca. Não é a toa que o Negroni é um campeão de pedidos ao redor do mundo!

Receita:

30 ml de gin
30 ml de campari
30 ml de vermute tinto
Servir em um copo Old Fashioned com gelo
Decorar com um twist de Laranja Bahia 

Cocktail: Old Fashioned

Por Marcelo Cury

Alguns dizem ser o "primeiro" coquetel da história. O primeiro? Difícil dizer, mas de fato esse coquetel data dos primórdios da coquetelaria. Pode ser encontrado inicialmente com a alcunha de de Whiskey Cocktail ou Old-Fashioned Whiskey Cocktail. Jerry Thomas incluiu em 1862, formalmente, a receita do Whiskey Cocktail em seu The Bar-tenders Guide, porém há relatos de receitas desde 1806.

Muitos tentaram se apropriar da sua receita que, assim como a do Negroni, possue vários questionamentos e situações que não batem. A história mais clássica é do Bartender Martin Cuneo do Pendennis Club, em Louisville, KY, em 1888, "criou" o drink para o coronel e produtor de Bourbon James E. Pepper (Aquele do Bourbon 1776) e este espalhou a receita pelo mundo, começando pelo balcão do famoso Waldorf-Astória em NYC. 

Mais uma lenda de balcão de bar. 

Basicamente é um destilado, com açucar, água e uma substância para amargor - hoje em dia bem estabelecida, os chamados "bitters". Uma receita relativamente simples, porém, sua simplicidade não significa falta de complexidade e se bem feita, é apaixonante.

Receita:

  • 60 ml de rye whiskey ou bourbon
  • 3 dashes de Angostura bitters
  • 10ml de xarope simples (2:1) 
  • Decorar com um twist de Laranja Bahia